Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 10, 2008

Justiça determina afastamento de diretores da Finatec (Folha Online)

por Gabriela Guerreiro


O TJ (Tribunal de Justiça) do Distrito Federal determinou o afastamento de cinco diretores da Finatec (Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos) --entidade que teria usado recursos de pesquisa na compra de móveis de luxo para o apartamento do reitor da UnB (Universidade de Brasília), Timothy Mulholland.

A desembargadora Nídia Côrrea Lima acatou o pedido do Ministério Público do Distrito Federal na noite desta sexta-feira. Ela designou Luiz Augusto de Souza Fróes como interventor para assumir, temporariamente, o comando da entidade.

A polícia cercou o prédio da Finatec desde ontem à noite, em Brasília, para evitar a retirada de documentos do local. O interventor é o único autorizado pela Justiça a ingressar no prédio, mas só assumirá formalmente o termo para ocupar o cargo na segunda-feira.

Segundo o Ministério Público, Fróes foi escolhido como interventor com base em seu currículo profissional.

A desembargadora decidiu pelo afastamento dos diretores apó…

Mordomias de reitor supera gastos com biblioteca (site Contas Abertas)

Os gastos que a Universidade de Brasília (UnB) realizou na decoração do luxuoso apartamento que o reitor Timothy Mulholland ocupava – R$ 470 mil, de acordo com o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) – superam aqueles empregados no acervo das quatro bibliotecas do campus. Em 2007, segundo dados do Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal), apenas R$ 453,4 mil foram gastos com aquisição, ordenação, catalogação, manutenção de sistemas, limpeza, manutenção e recuperação de todo o acervo da universidade (veja tabela).

A Biblioteca Central (BCE) e as outras três bibliotecas da universidade – do campus de Planaltina, do Hospital Universitário (HUB) e do Centro de Excelência em Turismo (CET) – possuem quase um milhão e meio de exemplares de livros e periódicos. Mensalmente, segundo o chefe de serviço de desenvolvimento de periódicos, Fernando Silva, a BCE incorpora a seu acervo cerca de 3.500 exemplares. “Esse número seria bem maior se hou…

PF indicia bispo Edir Macedo por fraude (Folha)

Fundador da Igreja Universal não foi ouvido pelo delegado porque, segundo seus advogados, ele se encontra nos EUA

Ex-bispo Marcelo Nascente Pires disse à PF que foi sócio da TV Vale do Itajaí até 2001, quando foi excluído por procuração inidônea

DA REPORTAGEM LOCAL

O bispo Edir Macedo, fundador e líder da Igreja Universal do Reino de Deus, foi indiciado em inquérito instaurado pela Polícia Federal em Itajaí (SC), sob suspeita de fraudar uma procuração para retirar do ex-bispo Marcelo Nascente Pires ações da TV Itajaí Ltda., emissora da Rede Record.

O delegado federal Annibal Wust do Nascimento Gaya viu indícios da prática dos crimes de falsidade ideológica e de uso de documento falso usado para transferência das cotas sem o conhecimento de Pires.

Edir Macedo não foi ouvido pelo delegado. Segundo seus advogados, ele se encontra nos Estados Unidos. Para evitar a prescrição, quando não seria possível punir eventualmente o bispo, o delegado formalizou o "indiciamento criminal por qualific…

Verba para a UnB pagou carro para reitor (Folha)

Promotoria sustenta que os R$ 72.200 gastos na compra de um Honda Civic deveriam ter sido utilizados em pesquisas

Universidade diz que não há irregularidade, pois a verba foi empregada em um bem para a universidade que será utilizado por outros reitores

DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

Uma fundação ligada à UnB (Universidade de Brasília) comprou um Honda Civic para uso exclusivo do reitor Timothy Mulholland no valor de R$ 72.200. De acordo com o Ministério Público do Distrito Federal, o dinheiro deveria ter sido direcionado à pesquisa.

A verba foi passada à universidade pela Finatec (Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos) por meio de um fundo de apoio institucional que só pode ser gasto com a UnB. A decisão sobre o que será comprado com o dinheiro do fundo é da administração da universidade, segundo sua assessoria de imprensa.

Há, ainda de acordo com a assessoria, quatro possibilidades de gasto: ensino, pesquisa, extensão e desenvolvimento institucional. A compra do carro foi feita…

Aonde quer chegar o "complexo Universal"? (Comunique-se)

por Milton Coelho da Graça (*)

A Universal é uma complexa organização igreja-empresa-partido político, que também comanda o jornal semanal impresso de maior circulação do país (superior ao triplo da edição dominical do diário mais vendido do país).

Em nome da liberdade de crença determinada pela República, cresceu com métodos não-convencionais de conversão e marketing, chegando em poucas décadas ao terceiro lugar em número de adeptos do país (abaixo apenas da Igreja Católica e da Assembléia de Deus). Com a obrigatoriedade do pagamento do dízimo (uma característica comum das igrejas evangélicas, mas cobrada sem o mesmo rigor pelas outras), construiu rapidamente um enorme patrimônio, que lhe permitiu construção de templos em quase todos os municípios, alguns deles imponentes “catedrais”; a compra da Rede Record, com a simpatia da ditadura, na época interessada em deter a crescente participação de fortes setores católicos no movimento de resistência democrática; e, finalmente, adotou a prá…

Igreja Universal move ações orquestradas contra jornais e repórter (O Globo)

Chico Otavio e Cláudia Lamego - O Globo; Rodrigo Vizeu - O Globo Online

RIO - A Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) tenta intimidar jornalistas através de ações orquestradas na Justiça. Fiéis e pastores da seita ajuizaram cerca de 50 ações de danos morais contra a "Folha de S.Paulo" e a jornalista Elvira Lobato, após publicação de reportagens, em 15 de dezembro passado, sobre o império de comunicação montado pelos "bispos" que controlam a Universal. Também contra o "Extra" e seu diretor de Redação, Bruno Thys, cinco pastores da seita, de diferentes cidades do Estado do Rio, entraram com ações pedindo indenização por danos morais. Todos alegam se sentir ofendidos com reportagem sobre um fiel da Universal que danificou uma imagem de São Benedito, na Bahia.

Nos processos contra a "Folha" e Elvira, pedindo indenizações de R$ 1 mil a R$ 10 mil, os pastores e fiéis alegam que sofreram prejuízos morais com a reportagem. Como as ações foram propostas…

TCU diz que há notas frias em viagem do presidente (Folha)

TCU diz que há notas frias em viagem do presidente
Em 2003, Lula foi a MS participar da inauguração de um assentamento de sem-terra

Planalto diz que liberou R$ 206 mil para locação de automóveis, mas dono de empresa afirma que cobrou apenas R$ 40 mil do governo

RANIER BRAGON
HUDSON CORRÊA

DA SUCURSAL DE BRASÍLIA
O TCU (Tribunal de Contas da União) detectou 27 notas fiscais frias na prestação de contas de aluguel de veículos que o Planalto fez com os cartões corporativos para a viagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Ponta Porã (MS), em março de 2003, onde participou da inauguração de um assentamento de sem-terra.

Além disso, embora o Planalto tenha liberado pelo menos R$ 206 mil para a locação dos automóveis, o dono da empresa que prestou o serviço disse ter cobrado apenas R$ 40 mil, menos de um quinto do valor apresentado nas 27 notas da prestação de contas da Presidência.

De acordo com a auditoria do TCU, aprovada pelo plenário do tribunal em março do ano passado, as notas não pos…

Dois ministros embolsaram ajuda indevida (Folha)

Pedro Brito e Nelson Machado receberam ajuda de custo depois de deixarem ministérios, mas jamais saíram de Brasília

Decreto prevê devolução do dinheiro se servidor não se mudar de cidade em 30 dias ou se ele regressar ao local de origem em até 90 dias

LEILA SUWWAN
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

Depois dos cartões corporativos, outra forma de pagamento de despesas de ministros e servidores revela irregularidades. Em 2007, o ministro dos Portos, Pedro Brito, e o secretário-executivo da Fazenda, Nelson Machado, então ministro da Previdência, embolsaram de forma indevida R$ 8.300 e R$ 18 mil, respectivamente.

O dinheiro é uma ajuda de custo para quem é transferido de cidade. Ambos mudaram de funções, mas nunca saíram de Brasília.

As informações sobre os pagamentos estão na rubrica "restituições e indenizações" do Portal da Transparência -o mesmo que trouxe as revelações sobre os cartões corporativos do governo. O portal é mantido pela CGU (Controladoria Geral da União).

Esses valores foram p…

Serra suspende saques com cartão de débito do governo de SP (Estadão)

Decisão foi tomada após ameaça de CPI ; governador diz que objetivo da medida é fazer análise dos gastos


SÃO PAULO - O governador de São Paulo, José Serra, anunciou nesta segunda-feira, 11, a suspensão temporária dos saques com os cartões de débito no governo paulista. Segundo ele, a medida foi tomada para que se analisem as despesas feitas, e não por conta de possíveis irregularidades no sistema de saques. O anúncio foi feito durante a cerimônia de abertura do Ano Judiciário.

Reportagem de O Estado de S. Paulo, publicada na última sexta, revelou que o governo de São Paulo gastou no ano passado R$ 108,4 milhões em despesas por meio de cartões de débito e que quase metade dessa quantia referia-se a saques em dinheiro - R$ 48,3 milhões ou 44,6%. No total, são 42.315 cartões usados por cerca de 20 mil servidores.

Além da suspensão dos saques, Serra anunciou outras duas medidas, cujo objetivo é aumentar a transparência com gastos na administração estadual. Uma delas é a criação de uma comiss…

Acordo evita "devassa" em contas de Lula e FHC na CPI (Folha)

Base governista e oposição concordam com comissão mista e investigação desde 1998

Objetivo é que apurações sobre cartões corporativos não aprofundem gastos do presidente e do tucano, preservando seus familiares

DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O Palácio do Planalto fechou um acordo com o PSDB na busca de uma CPI "controlada" dos Cartões Corporativos. A idéia é evitar uma devassa nas contas do presidente Lula e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o que pode esfriar as investigações.

Enquanto o governo cedeu, admitindo uma comissão mista -na Câmara e Senado-, o PSDB aceitou que a investigação ocorra a partir de 1998, englobando cinco anos do governo FHC.

O acordo, fechado entre o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), quase ruiu após uma troca de telefonemas do presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), com Fernando Henrique. O ex-presidente se irritou com a ampliação do foco das investigações. No final do dia, porém, Guerra ad…